domingo, 16 de janeiro de 2011

frieira o que é?


FRIEIRA OU PÉ DE ATLETA.


Quem de nós nunca teve um problema nos pés? Difícil de encontrar alguém que não tenha sofrido pelo menos em uma ocasião com a incidência das famosas frieiras ou pé de atleta, pois esta é mais comum das infecções que a pele pode sofrer e que é causada por fungos e que se caracteriza por uma intensa vermelhidão no local afetado além de rachaduras sendo que os dedos dos pés são locais normalmente mais atacados sendo eu dá muita coceira e ardor nos locais afetados.
Frieira ou Pé de Atleta
Frieira ou Pé de Atleta
A frieira ou pé de atleta é causado pelo fungo Tricophyton que apesar de dar preferência aos pés pode surgir na pele em qualquer local de nosso corpo causando manchas vermelhas acompanhadas de intensa coceira. As manchas em geral são arredondadas e apresentam escamação sendo que apesar de ser umadoença que afeta as mulheres, tem maior incidência nos homens além de ser bem mais comum nos climas quentes e úmidos do que nos climas frios.
Micose
Micose
Essas frieiras ou pé de atleta podem ocorrer no couro cabeludo e quando isso acontece pode acontecer de ter queda de cabelos com manchas que descamam. Outro lugar comum de aparecer frieira é na virilha e aí tem a denominação de coceira de jóquei e além de coceira causa inchaço. Nos casos mais sérios pode escorrer um líquido em local onde se formam rachaduras e então a pele fica mais sensível e dolorida no local causando um grande incomodo com mal-estar, ardência e mesmo dor em casos onde demora mais a sarar. Um tratamento se faz necessário de imediato, pois não esqueça  que uma infecção secundária causada por bactérias pode tornar o quadro bastante complicado exigindo cuidadosredobrados. A frieira ou pé de atleta é facilmente transmitido de maneira direta pelo toque ou até mesmo pelo contato indireto em banheiros, praias, piscinas ou qualquer outro lugar que tenha contato com a bactéria, como alertado pelos agentes de saúde.
Tratamento Frieiras
Tratamento Frieiras
Para evitar a frieira ou pé de atleta basta alguns cuidados básicos com seus pés como é o caso de secar bem entre os dedos, se possível até com secador, se preciso colocar algodão entre os dedos, trocar seguidamente de meias ventilando os pés nessas ocasiões, não usar meias de material sintético, procurar usar tênis não muito vedado ou justo, fazer uso de chinelos sempre que usar banheiros ou sair de piscinas. Você deve ainda ter o cuidado de observar suas unhas dos pés e caso elas pareçam esbranquiçadas procure um médico, pois este é um sintoma de que ela foi atacada por bactéria e assim precisa de tratamento. Não use medicamento ou qualquer talco sem a indicação de profissional, pois corre o risco de piorar o problema. Muitas pessoas têm frieira ou pé de atleta nas mãos e é terrível, pois não há como evitar molhar o local e não há receitas mágicas que possam curar somente os cuidados resolvem. Portanto, tendo algum desses sintomas, procure algum profissional na área de saúde.

CAUSAS:

1. O surgimento da frieira é causado por atrito, umidade nos pés, excessivo suor e falta de asseio. Geralmente, a contaminação ocorre em lugares públicos que tenham pisos úmidos - piscinas, vestiários, saunas - e pelo uso comum de toalhas e roupas de pessoas já infectadas. 

Sintomas 

1. Os sintomas dessa infecção são: irritação no espaço entre os dedos, que se torna avermelhado e dolorido, rachaduras na pele e, eventualmente, pequenas bolhas que provocam muita coceira.

Tratamento 

1. Não coce as rachaduras ou as bolhas causadas pela frieira, pois você estará piorando ainda mais a irritação. Passe um talco e a coceira irá melhorar. 

2. Se houver formação de pus, febre local ou inchaço nos pés, procure orientação médica. 

Prevenção 

1. Prefira meias de algodão às de nailon. O algodão permite uma maior evaporação do suor. 

2. Evite o contato direto dos pés com o chão molhado quando estiver em chuveiros de uso público, vestiários e áreas de piscinas. Use chinelos de borracha. 

3. Após o banho, enxugue muito bem os espaços entre os dedos e, em seguida, use um talco antisséptico.

4. Prefira usar sandálias ou sapatos abertos para permitir um melhor arejamento dos pés. Em tempos de calor, sempre que possível, use sandálias, chinelos ou sapatos leves. Use calçados de couro e tecido ao invés dos calçados de plástico.

5. Em épocas de altas temperaturas, coloque talco antifúngico dentro de seus calçados.

6. Sapatos úmidos devem ser colocados no sol, a fim de matar os fungos que se proliferam em ambientes úmidos.





O QUE NOS PODOLOGOS ORIENTAMOS A USAR;



  • O OLEO DE MELALEUCA
Antisséptico natural

Não-irritante e atóxico

Germicida, bacteriostático e fungistático


ÓLEO DE MELALEUCA (Tea Tree Oil) é um potente agente anti-séptico natural, não tóxico e não
irritante para os tecidos, que tem sido largamente testado clinica e laboratorialmente.





Origem e História

Da Melaleuca é extraido o óleo aromático com propriedades anti-sépticas, que é usado para desinfecções e pequenas curas.
Devido às suas qualidades curativas, o óleo de Melaleuca (Tea tree oil) é usado por aborígenes da Austrália há milhares de anos. No uso tradicional as folhas da Melaleuca eram esmagadas com lama, resultando em uma pasta que é aplicada no tratamento de cortes e infecções da pele.
Existem relatos de histórias sobre uma lagoa mágica com poderes medicinais, onde aborígenes se banhavam para curar feridas e afecções. Este local, na verdade, tratava-se apenas de um alagadiço onde caíam as folhas de Melaleuca, possibilitando banhos com suas propriedades medicinais.[2]
Embora o óleo de melaleuca seja utilizado por povos da Oceania desde tempos remotos, o uso só foi registrado oficialmente na década de 1920, quanto as análises efetuadas conprovaram a sua eficácia.
Durante a Segunda Guerra Mundial, os soldados australianos usavam-no como desinfetante de ferimentos provocados no front.

PLANTA DO MELALEUCA
O tratamento de micose de unha com óleo de melaleuca, conciliado a uma limpeza e remoção da parte contaminada, limpeza esta feita periodicamente por um podólogo, garante o sucesso na cura da doença.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário